Estamos no início do ano e, com ele, chegam os tradicionais impostos, como IPTU e IPVA, além de materiais escolares e gastos adicionais adquiridos nas festas de fim de ano. E, segundo especialistas, este é o período ideal para estabelecer novas metas e planos.

Segundo levantamento realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) em parceria com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CDNL), em 2018, apenas 9% dos brasileiros tinham condições de pagar as despesas do início de ano com recursos próprios. Além disso, 11% dos entrevistados não tinham nenhum planejamento financeiro para custear essas contas. Porém, 31% da população conseguiu economizar ao longo do ano para arcar com as despesas do primeiro trimestre.

Contudo, a grande maioria ainda não tem o costume de se programar para as despesas extras. Pensando nisso, o professor da educação a distância da Unicesumar especialista em finanças, Silvio de Castro, dá cinco dicas que podem ajudar a organizar os gastos neste início de ano.

https://www.youtube.com/watch?v=_fqK_owhzoA&feature=youtu.be

1. Entenda as finanças

Um bom planejamento financeiro inclui mapear as despesas. No início do ano isso fica mais fácil, mas é algo que deve se estender ao longo dos demais meses. Também é importante mapear os gastos essenciais, mas que variam de acordo com o consumo, como contas de luz e de gás. É importante estar atento porque esses gastos fixos podem sofrer reajustes e mudar. Planilhas e aplicativos podem auxiliar nesse processo de mapeamento e entendimento dos gastos fixos e esporádicos. Para estabelecer um planejamento financeiro, é preciso compreender exatamente como funciona a entrada e saída do dinheiro. É comum que muitos não atentem ao montante recebido como rendimentos no mês. Entender o valor líquido, além das despesas com cartão de crédito, cheque e especial e afins é importantíssimo. Com essas informações, é possível desenhar um planejamento que mostre a linha do tempo das entradas e saídas.

2. Eleja prioridades

Existem gastos inevitáveis e opcionais. No caso dos inevitáveis e/ou não programados, identifique qual é a melhor forma de pagamento. Os impostos de início de ano são exemplos disso. Vale avaliar se o benéfico de pagar o IPVA e IPTU à vista, por conta dos descontos concedidos, pode ser interessante ou não. Caso não seja, inclua as parcelas na programação mensal, atentando às demais despesas fixas.

3. Elimine gastos invisíveis

Alguns gastos passam despercebidos, quase invisíveis, ao longo do mês. Identificar taxas ou serviços ajuda a reduzir despesas que até podem ter baixo custo mensal, mas fazem diferença quando colocados na ponta do lápis em longo prazo. Aqui, mais uma vez, uma planilha ou um aplicativo podem ser bem-vindos.

4. Atente à compulsão

Muitas pessoas compram por impulso ou por serem viciadas. Para ajudar a ter uma saúde financeira satisfatória, uma dica é trocar os passeios no shopping por parques ou museus. Além disso, quando realmente precisar comprar algo, opte pelas lojas físicas, já que muitos e-commerces têm se mostrado mais tentadores pelos preços e condições. E, não menos importante, antes de adquirir algo, vale a pergunta: “eu realmente preciso disso”? Diante de promoções e liquidações, normalmente esquecemos essa reflexão e criamos gargalos no orçamento.

5. Faça reservas e invista

Uma boa dica é reservar recursos durante todo o ano, além de cuidar com gastos excessivos ou demais despesas. É importante ter uma reserva de emergência, ou seja, é fundamental poupar – ainda que pouco – durante todos os meses do ano. Ainda que não exista o hábito, calcular o custo mensal auxilia na definição do montante a ser reservado. Ao reduzir gastos desnecessários, fica mais fácil buscar diferentes tipos de investimentos. Eles podem ajudar, inclusive, a arcar com as despesas do início do ano. Neste caso, é possível utilizar reservas existentes, além de rendas extras, como 13º salário e restituição de imposto de renda.

Não fique no vermelho no início do ano

Pode parecer difícil, mas organizar todos os gastos nesse período, vai depender de muito planejamento e atenção. Seguindo todas dicas, você vai conseguir equilibrar as finanças e manter sua conta no azul.

Agora que você já está por dentro de como organizar as contas para o início do ano, o que acha de ir além e organizar todas as suas finanças pessoais? Confira nosso e-book e saiba como aliar tecnologia e organização de gastos.

Comentários

Comentários