Quanto mais qualificado você for, maior suas chances de entrar e permanecer no mercado de trabalho. Parece óbvio, mas a verdade é que, segundo a Catho, as empresas precisam de candidatos mais preparados para economizar tempo no treinamento.

Por isso, o curso superior se tornou praticamente um pré-requisito para quem busca uma oportunidade profissional. Há alguns anos, quem possuía um diploma universitário estava muito à frente dos demais candidatos. Hoje, se você não tiver esse certificado, há grandes chances de ter seu currículo dispensado antes mesmo de conseguir uma entrevista.

Dentro desse contexto, a educação a distância pode ser a sua oportunidade para ingressar no mercado de trabalho. A EaD é vantajosa, pois garante ao aluno muito mais flexibilidade e exige um investimento financeiro menor. Muitos ainda acreditam que os empregadores enxergam a educação a distância com maus olhos, mas essa ideia não passa de um mito.

mercado-de-trabalho-para-quem-fez-cursos-de-graduacao-a-distancia

Crescimento dos cursos de graduação a distância

A EaD vem ganhando um espaço significativo no Brasil. Mais de 20% dos alunos matriculados em cursos superiores atualmente optaram por essa modalidade de ensino.

Para ter ideia, no ano de 2003, havia cerca de 50 mil alunos matriculados em cursos a distância espalhada pelo país. Hoje, o número subiu para 1,4 milhão. Se houvesse uma real rejeição do mercado de trabalho, certamente a EaD não estaria crescendo de forma tão expressiva.

Além disso, cabe destacar que as universidades de renome estão abrindo cada vez mais cursos de graduação a distância. A variedade de cursos também tem crescido muito.

Um curso de EaD é confiável?

Muitos têm a sensação de que um curso que é oferecido a distância é mais “fraco” do que o presencial. Você pode até pensar que a sua formação não será tão boa se assistir às aulas em casa, mas essa afirmação não se comprova.

Primeiramente, para que uma instituição possa abrir um curso de graduação a distância, ela precisa obedecer ao controle de qualidade do Ministério da Educação (MEC). As exigências são as mesmas das impostas aos cursos presenciais, dentro da realidade de cada modalidade (quando o curso é presencial, há uma necessidade maior de investimento em infraestrutura, por exemplo).

Entre os critérios que são avaliados para que o curso possa ser aberto está o respeito à legislação vigente no país em relação à educação de nível superior. Também é analisado o nível de qualificação dos professores que irão lecionar e a estrutura oferecida pela instituição, tanto online quanto no polo de apoio presencial.

E não é só isso: a faculdade também precisa apresentar recursos didáticos e pedagógicos apropriados. Caso contrário, não tem autorização para ofertar o curso.

Depois de cumprir todos os pré-requisitos, o curso de graduação a distância será avaliado pelo MEC como qualquer outro. As mesmas avaliações são aplicadas periodicamente, tanto para alunos de cursos presenciais como de EaD. Um exemplo é o ENADE.

Aliás, vale a pena mencionar que os estudantes da educação a distância têm apresentado ótimos resultados no ENADE, exatamente pela modalidade exigir dedicação e disciplina. Essa é uma prova de que o fato de não frequentarem a faculdade, fisicamente falando, não compromete a aquisição de conhecimento e o aproveitamento dos conteúdos.

O diploma tem o mesmo valor?

Outro mito que ainda circunda o universo do ensino superior: o diploma de EaD vale menos do que dos cursos presenciais. Isso é uma grande mentira! Na realidade, não há diferenças, não existe nada no diploma identificando que o aluno estudou a distância ou que estudou presencial.

Por determinação do próprio MEC, um diploma obtido na graduação a distância tem o mesmo valor do diploma do ensino presencial e são exatamente iguais.

Portanto, se você sempre teve medo de investir em um curso a distância e o seu diploma acabar sofrendo “preconceito”, a partir de agora não precisa mais se preocupar com isso.

diploma-cursos-de-graduacao-a-distancia

O perfil do aluno de EaD agrada ao mercado

Talvez você nunca tenha parado para analisar sob essa ótica, mas os alunos que estudam a distância desenvolvem um perfil diferente daqueles que frequentam a universidade diariamente.

A partir do momento em que você assume o compromisso de estudar no conforto de casa, sem uma turma de colegas e sem um professor em sua frente, precisa ser muito disciplinado. O aluno de EaD se acostuma a fazer um esforço muito maior para manter o foco. Isso acaba se tornando uma característica que pode ser levada para outras atividades.

Além disso, nos cursos de graduação a distância, o aluno é muito mais ativo em seu processo de buscar conhecimento. Ele precisa tomar a iniciativa de assistir às aulas, ler os materiais disponibilizados, procurar as formas de entrar em contato com o professor.

A soma de tudo isso resulta em um indivíduo focado, disciplinado e proativo. Ora, não são essas características que os empregadores buscam em qualquer colaborador? Não importa qual seja a sua profissão, esses traços sempre estarão a seu favor!

Empresas adotam a EaD

Você ainda tem dúvidas de que as empresas realmente reconheçam o valor dos cursos de graduação a distância? Então, aí vai mais uma informação valiosa: as próprias empresas estão buscando a EaD como alternativa para a capacitação e desenvolvimento dos seus funcionários já contratados.

A Associação Brasileira de Educação a Distância realizou uma pesquisa em 2013 a respeito do assunto. Na ocasião, mais de 80% das pessoas que responderam afirmaram que os cursos corporativos à distância devem crescer nos próximos anos.

Isso comprova que utilizar os benefícios da internet e da tecnologia a serviço da educação é uma realidade e as empresas sabem disso.

Diante de tudo isso, para quem quer uma boa oportunidade no mercado de trabalho, os cursos de graduação a distância são, sim, um excelente investimento que irá trazer um ótimo retorno.

cta5

Comentários

Comentários