O mundo do Design de Produto é cheio de possibilidades. Desde a prototipagem até o desenvolvimento de mercadorias, são vários conceitos, processos e métodos de trabalho para os profissionais do ramo.

Em participação no Congresso Moveleiro – um dos eventos mais importantes da área –,  três professores da Unicesumar falaram sobre fatores importantíssimos para o dia a dia da profissão.

Siga com a gente e sabia mais sobre aspectos fundamentais do mundo Design de Produto!

4 aspectos do mundo do Design de Produto

1. Briefing

Briefing ou programa de necessidades são termos utilizados no processo para coletar informações do cliente, visando alcançar o maior número de dados possíveis para o desenvolvimento de um trabalho.

No mundo do Design de Produto, o briefing é aquela reunião inicial que você faz com o cliente. Nessa etapa, são expostas as necessidades, desejos  e expectativas para o desenvolvimento do trabalho.

Você já teve a experiência de fazer um briefing? Experimente, é uma ferramenta muito interessante e pode ser divertida.

https://www.youtube.com/watch?v=lLQmiJ19tiw&feature=youtu.be

O briefing é uma das etapas mais decisivas para a contratação e o bom andamento de um projeto. É nessa hora que você precisa colher junto ao cliente o máximo de informações necessárias para entender suas reais necessidades e então poder desenvolver um trabalho de acordo com tais anseios.

Temos que construir um programa de necessidades juntamente com o cliente, de maneira colaborativa. Precisamos fazer as perguntas certas e ficar atentos para “pescar” coisas que o cliente possa estar esquecendo, além de auxiliar no balanceamento de informações distorcidas ou possíveis exageros.

Um briefing mal feito irá gerar má interpretação e certamente resultará em perda de tempo e dinheiro, podendo também gerar desgastes desnecessários entre profissional e cliente.

É importante também deixar o cliente confortável e transformar esse momento em uma conversa casual, sem deixar de passar confiança e credibilidade. Após esse momento, organize os dados colhidos e estude, assim o projeto terá êxito por estar bem fundamentado, evitando qualquer erro.

2. Estilos do Design

Hoje em dia, decorar uma casa requer bastantes conhecimentos sobre os diferentes estilos existentes. Para não cometer erros, devemos entender as especificidades de todos os estilos existentes, de maneira que os espaços planejados fiquem harmônicos, com identidade e cheios de personalidade.

O mundo do Design de Produto – e o Design, no geral – é marcado por uma série de estilos que podem ser observados nos detalhes de cada espaço. A ornamentação, a composição do espaço, cores, texturas, elementos e princípios são condicionantes que caracterizam um estilo de Design.

Os principais estilos são Clássico, Provençal, Retrô e Vintage, Minimalista, Rústico, Moderno e Contemporâneo.

https://www.youtube.com/watch?v=ReiftwEuQXU&feature=youtu.be

Estilo clássico: móveis de linhas retas e que nunca saem de moda. Cores neutras e sóbrias, complementadas por acessórios. Móveis em cerejeira, de estrutura grande em conjunto com peças antigas e em cores verde e azul.

Estilo provença: esse estilo é voltado para uma decoração mais romântica. Os tons são suaves e são usadas técnicas de envelhecimento. Os móveis são pintados de branco com acabamento de pátina e os detalhes ficam por conta de almofadas em estampas florais e enfeites delicados.

Retrô/Vintage: essa moda está em alta e nos faz voltar ao passado. No mercado, já existe aparelhos e móveis em estilo retrô, mas com tecnologia avançada.

Moderno: é funcional e prático. Voltado para quem não tem tempo de se dedicar aos afazeres domésticos. Possibilita a mistura de diferentes estilos, mas sem perder o charme de uma decoração moderna.

Minimalista: esse estilo é um resultado de inúmeros movimentos artísticos e culturais do início do século XX, sendo adotado por designers em meados dos anos 80. A principal influência na decoração veio da cultura japonesa. Para isso, é necessário subtrair tudo o que for desnecessário e supérfluo. Na decoração, há poucos objetos, cores neutras e móveis funcionais.

Contemporâneo: em geral, o contemporâneo deixa o espaço acolhedor por causa da mistura de estilos, elementos, formas e cores. Ele aceita os móveis antigos incorporados com mobiliários novos. O vintage com o moderno minimalista é uma forte influência do contemporâneo.

A personalização do espaço é o foco principal e a busca é pelo equilíbrio e intimismo dos ambientes através da funcionalidade com conforto. A praticidade faz parte de ambientes contemporâneos, que são compostos de móveis de algodão e couro, estampas, texturas e muita personalidade. Aceita bem objetos de acrílico, cromados ou até de plástico.

3. Design Efêmero

Projetar uma instalação efêmera de qualquer natureza não é apenas desenhar algo temporário. Significa contar uma história, levar adiante um conceito abstrato, criar experiências por meio de aspectos construtivos e de comunicação.

O mundo do Design de Produto é caracterizado pelo processo de pensamento da criação de algo, seja um produto, fala, escrita, desenho, modelagem, construção etc. Já o efêmero corresponde a ocorrências temporárias, transitórias.

O Design Efêmero corresponde a estruturas ou peças criadas com a intenção, desde a fase de projeto, de cumprir sua função em um determinado intervalo de tempo.

https://www.youtube.com/watch?v=erprB3pdeRw&feature=youtu.be

Segundo Evelise Grunow, na revista ABC Design, Design Efêmero é uma comunicação temporária de contato com o público que administra uma marca (produto/serviço) ou um evento. Envolve principalmente questões de consumo e identidade social, cultural e econômica.

Alguns exemplos de instalações efêmeras são: design de stands, vitrines, animações promocionais, pop-up stores, design de exposições ou até mesmo um cenário montado para um desfile de moda.

Ou seja, todo e qualquer ambiente projetado para permanecer por um curto período de tempo, independentemente do objetivo: expor obras de um artista, vender um produto de edição limitada ou promover uma marca.

4. O Design é para todos!

Entende-se por Design a melhoria dos aspectos funcionais, ergonômicos e visuais do produto, de modo a atender às necessidades do consumidor, melhorando o conforto, a segurança e a satisfação dos usuários.

Durante sua evolução, o Design teve momentos em que representava claramente a cultura de um país ou região: design italiano, americano, alemão, japonês.

Isso, é claro, reflete no mundo do Design de Produto.

Com a troca de informações em todo o mundo e o processo de “globalização”, pouco a pouco as diferenças culturais entre produtos de diversos países foram diminuindo, levando à projeção de um produto aceito internacionalmente.

Hoje se está chegando a um equilíbrio: o produto deve ser bem aceito no mundo todo, mas mantendo uma identidade nacional, ou seja, ele deve representar aspectos positivos do país em que foi criado.

https://www.youtube.com/watch?v=ES5SGfMSBWo&feature=youtu.behttp://

Outro ponto importante é que, com a globalização, o Design agora é para todos. O acesso à informação transformou os consumidores de todas as classes sociais em clientes mais exigentes e antenados com as novidades, que buscam um produto com conforto, beleza e durabilidade.

O gerente de design e tendências da Tok&Stok – tradicionalmente visitada pelo público AB – observa que, nos últimos anos, a classe C passou a frequentar mais as lojas da rede. “Em geral, eles buscam móveis com dimensões pequenas, como sofás retráteis e pufes”, diz o executivo. “Os consumidores estão fugindo dos móveis tradicionais e optando por aqueles com design arrojado, mas com tamanhos reduzidos”, afirma o diretor comercial do Magazine Luiza, Ricardo Saluti. Reflexo direto do novo perfil de moradia, que conta com ambientes compactos.

E aí, o que achou dos vídeos? Deu para sentir o mundo do Design de Produto e entender como funciona a profissão?

Caso você tenha se interessado pela área, não deixe de conhecer o curso de Design de Produto a distância na Unicesumar.

 

Comentários

Comentários