Conte aí: o que está separando você do sonho de fazer um curso de Ensino Superior? Por acaso, pagar a faculdade lhe parece um problema? Na verdade, essa é uma questão que pega para muitos brasileiros. A boa notícia é que há inúmeras maneiras de conseguir se manter estudando — financiamentos, opções de bolsa e muito mais.

Nós reunimos todas elas neste texto, porque faz toda a diferença você não desistir do seu sonho! Afinal, um diploma de faculdade é um passaporte essencial para uma vida mais confortável. Vamos lá?

Fies

Fies é a sigla para Fundo de Financiamento Estudantil. Ele é uma possibilidade do Ministério da Educação (MEC) para financiar a graduação no Ensino Superior de estudantes matriculados em faculdades particulares.

Na dúvida sobre se o Fies é uma opção para o seu perfil? Saiba que você consegue recorrer ao financiamento caso esteja matriculado em um curso superior que tenha recebido uma avaliação positiva de acordo com o Ministério da Educação.

Para se inscrever, é necessário acessar o sistema de seleção do Fies, informando os dados solicitados, como CPF, data de nascimento e um endereço de e-mail válido, e cadastrando uma senha.

Na sequência, você recebe uma mensagem no endereço de e-mail sobre a validação do seu cadastro e deve seguir as orientações que receber.

Hoje, existem algumas novas condições do Fies para pagar a faculdade, que contamos a seguir:

  • fase de utilização: durante o curso, o estudante pagará, a cada três meses, o valor máximo de R$ 150, que dizem respeito aos juros incidentes do financiamento;
  • fase de carência: terminou a graduação? Saiba que terá 18 meses para recompor seu orçamento. Ainda nessa fase, você vai pagar o valor máximo de R$ 150, que também diz respeito aos juros;
  • fase de amortização: quando a carência terminar, o saldo devedor do estudante será parcelado em até três vezes o período da duração regular do curso.

Para estar apto ao Fies, também existem algumas regras, que são:

  • ser estudante de curso presencial de graduação particular com avaliação positiva no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) e também de uma instituição do ensino participante do Fies;
  • ter renda familiar mensal de até três salários mínimos por pessoa;
  • participar de alguma das edições do Enem desde 2010;
  • ter conseguido 450 pontos, no mínimo, na média das provas do Enem e nota acima de zero na redação.

Prouni

Já o Prouni, sigla para Programa Universidade para Todos, é mais uma ação do Ministério da Educação para oferecer bolsas de estudo integrais ou parciais (50%) nas instituições particulares de Ensino Superior, permitindo a você conseguir pagar a faculdade.

Para uma bolsa integral, você precisa ter renda familiar bruta mensal de até 1,5 salário mínimo por pessoa. Para as bolsas de 50%, a renda familiar mensal deve ser de até 3 salários mínimos por pessoa.

O Prouni não vale para quem já tem um primeiro diploma de curso superior. Você também deve ter participado do Enem mais recente e obtido um mínimo de 450 pontos de média das notas, além de não ter tirado zero na redação. Há algumas outras condições:

  • você deve ter cursado o Ensino Médio inteiro na rede pública ou em escola particular como bolsista integral;
  • ser um estudante com algum tipo de deficiência;
  • ser professor de ensino público, exercendo magistério da educação básica. Também é aberto para integrantes de quadro de pessoal permanente de instituição pública.

Concurso de bolsas

Existem diversas opções de bolsa, inclusive da própria instituição de ensino que você escolheu — por isso, um ótimo primeiro passo é se informar sobre essa possibilidade. Mas existem outros tipos de bolsa para conseguir pagar a faculdade, e falamos delas na sequência.

Bolsa Santander

O banco Santander tem diversas ações que oferecem bolsa para um estudante fazer sua faculdade, seja no Brasil ou no exterior. Trata-se de um programa social da companhia que busca dar suporte para o desenvolvimento dos estudantes.

Uma das ações é o Programa Santander Graduação 1S 2020, que permite que estudantes de todo o Brasil possam receber uma ajuda financeira no pagamento da mensalidade da universidade ou mesmo nos custos relacionados à sua formação acadêmica, seja para material didático, transporte, moradia etc.

Com o dinheiro, você também tem direito a um curso de inglês gratuito, que é fundamental para conseguir boas oportunidades de trabalho hoje em dia.

Quero Bolsa

O Quero Bolsa é outra ação muito legal, que é válida para os mais variados estudantes e não impõe tantas regras. Você se cadastra no site, busca as bolsas mais interessantes e os cursos que mais lhe chamam a atenção. Então, poderá pagar o valor, com desconto, até o fim dos estudos.

Financiamento pela faculdade escolhida

Se você já sabe qual faculdade quer fazer, busque conhecer as opções de financiamento direto pela instituição. Na UniCesumar, por exemplo, existe a possibilidade de fazer isso em parceria com os bancos Bradesco e Santander. Para dar início, é preciso ir até o setor de análise de crédito da faculdade.

Financiamento estudantil privado

Tanto os bancos mais tradicionais como as empresas de crédito têm opções de financiamento estudantil privado — em algumas situações, você consegue fazer o processo pela internet mesmo.

Empréstimos

Empréstimos de banco ou de empresas de crédito são uma opção para quem não conseguiu nenhuma das oportunidades acima. Lembre-se de estudar os juros, para que você não acabe pagando muito mais do que precisava, ok?

Como você pode pagar a faculdade por conta própria

Como você viu, mesmo com bolsas e programas do governo, você ainda precisa pagar a faculdade, nem que sejam pequenas parcelas. Nesse caso, algumas ações podem ajudar demais, como:

  • conseguir um emprego de meio período: mesmo que não seja na área da formação, você pode ir guardando o dinheiro;
  • fazer estágio é uma possibilidade logo a partir do primeiro semestre. Por isso, fale com professores e mande currículos. Além disso, participar de estágio ou emprego é uma ótima opção para desenvolver habilidades necessárias ao mercado de trabalho;
  • economizar a longo prazo: caso você já trabalhe, guarde sempre uma quantia ou invista para conquistar uma folguinha no futuro;
  • ter uma fonte de renda extra: fazer trabalhos como freelancer é sempre uma boa!

Pagar a faculdade, como você viu, não precisa ser mais um problema. Há diversas opções, e, com certeza, uma delas vai se encaixar no seu perfil. Uma dica extra? Não desista na primeira negativa, hein?!

Agora que já sabe sobre as possibilidades para pagar a faculdade, entenda como construir sua independência financeira!

Comentários

Comentários